Comunicação |

Notícias

Buscar notícia

Procurar

Roberto Fernandes reconhece atuação abaixo da média, mas valoriza vitória e reação

07/09/2017 ás 08:00 - Quinta
Imagem

O técnico Roberto Fernandes reconheceu as dificuldades do Náutico na vitória sobre o Brasil-RS, na noite da última quarta-feira (6), por 1x0, na Arena de Pernambuco. De acordo com o comandante alvirrubro, a equipe teve problemas para se encontrar. Por outro lado, o treinador valorizou o resultado e o poder de reação tanto no jogo quanto no campeonato após o terceiro triunfo em casa na Série B.

“A gente tinha ideia de que ia ser um jogo bastante complicado. O Brasil é uma equipe que tinha 13 pontos na nossa frente, numa posição que o permitia jogar no nosso erro, e nós demos esse erro a eles, diga-se de passagem. A nossa equipe sentiu o jogo. Não conseguimos encaixar e não fizemos um primeiro tempo tecnicamente, nem taticamente brilhante. No segundo tempo, a equipe veio com um pouco mais de intensidade com a entrada de Iago, mas, em contrapartida, perdemos o meio de campo. Precisando da vitoria, entendi que era o momento de dar um passo atrás. A entrada do Schuster deu uma equilibrada e a equipe passou a criar. Parti para jogar com dois homens de referência com a entrada do Vinícius. E no abafa fizemos o gol”, celebrou o treinador do Timbu.

Com a vitória, o Náutico diminuiu a distância para sair da zona de rebaixamento para cinco pontos. A menor desde que a equipe foi bater na lanterna. Porém, Roberto Fernandes mantém os pés no chão e aponta de que há muito caminho a percorrer, com uma dificuldade ainda maior na sequência da Série B do Campeonato Brasileiro.

“Daqui para frente é isso aí. O Náutico era um pato morto. O Náutico ficou 16 rodadas na lanterna. Veio vencer em casa na última partida do primeiro turno. E um detalhe importante. Sem contratações. É o mesmo elenco que não venceu nenhum jogo em casa e que agora venceu três. Não pensem que vai mudar da água para o vinho. Vamos sofrer até o fim e o último terço do campeonato é o mais difícil”, pontuou.

Clauber Santana / Comunicação CNC

Outras notícias