Comunicação |

Notícias

Buscar notícia

Procurar

Náutico encara decisão contra o Goiás no Serra Dourada

06/10/2017 ás 08:00 - Sexta
Imagem

Desde a última rodada, quando o Náutico venceu o Boa Esporte, cada jogo é considerado uma decisão. É preciso encarar o próximo adversário como se entrasse em campo para uma final de campeonato. E é assim que o Timbu estará diante do Goiás, às 21h30, no Serra Dourada, em Goiânia, pela 28ª rodada da Série B. O duelo marca o encontro de duas equipes que estão brigando contra o rebaixamento. Portanto, é de fundamental importância para os alvirrubros conquistarem um bom resultado para diminuir a distância para sair do Z4.

O recado passado pelo técnico Roberto Fernandes aos jogadores é para evitar pensar em tabela ou classificação. Mais do que nunca, o foco será apenas na próxima final. Assim, o comandante alvirrubro esperar diminuir a pressão sobre o elenco da desvantagem na pontuação dos concorrentes.

“A matemática é não fazer matemática. É fazer de cada jogo uma decisão. Só escapa do rebaixamento se ver o jogo do Goiás como se fosse o último. Se for fazer projeção, será uma coisa grande para o que fizemos até agora. É um fardo enorme. Temos de vencer sete jogos de 11 e isso é campanha de campeão. Mas enquanto há vida, há esperança. O Goiás é a final de competição pra gente e vamos com o que tiver de melhor”, ressaltou Roberto Fernandes.

O treinador do Timbu tem problemas para montar a equipe. Os zagueiros Breno Calixto e Léo Carioca, o lateral-esquerdo Ávila e os atacantes Iago e Rafael Oliveira estão entregues ao DM. Por isso, serão pelo menos três mudanças na escalação comparada ao último jogo. Porém, mesmo com os problemas, o planejamento da equipe não muda assim como também a forma de enfrentar o adversário. Roberto Fernandes toma como exemplo o desempenho do time desde que ele chegou para mostrar que é possível fugir do rebaixamento.

“O que trabalho internamente é o seguinte: nas últimas dez rodadas, o Náutico fez 15 pontos. E do 15º colocado para abaixo, quem mais pontuou fez sete. Então, fizemos mais do que o dobro dos que estão efetivamente na briga contra o rebaixamento. É um crescimento real. Se continuarmos assim temos chances reais de sair. Mas não passo isso para os jogadores. Só passo que o Goiás é final de campeonato”, concluiu.

Clauber Santana / Comunicação CNC

Outras notícias